Google Cloud Print será desativado em dezembro de 2020

O cemitério do Google vai receber um novo morador: o Google Cloud Print, serviço que permite a impressão de documentos usando os servidores de Mountain View, que é uma mão na roda para muita gente, será desativado em 31 de dezembro de 2020, com a empresa recomendando aos usuários que... Bem, se virem.

O Google Cloud Print foi introduzido como um serviço beta, no longínquo ano de 2010, e nunca saiu desta condição em todo o seu ciclo de vida. Não que fosse necessário, pois ele funcionava razoavelmente bem no que se propunha a fazer.
Com um dispositivo Android, você poderia se conectar a uma impressora online e uma vez configurada (ambos em uma rede local), enviar arquivos para o hardware de qualquer lugar, bastando que ambos estivessem ligados à internet.
O Google Cloud Print organiza os pedidos de impressão£o através dos servidores do Google, desta forma, a fila de impressão mantida até o momento em que a impressora colocada online. A ferramenta funciona inclusive com impressoras offline, bastando apenas configurar o periférico pelo navegador e que o computador a que ela esteja ligado permaneça conectado na rede, para o recurso funcionar.
Essa facilidade estão¡ chegando ao fim. O Google informa que está dando prioridade aos recursos nativos de impressão£o do Chrome OS e, assim sendo, não veem necessidade em manter uma ferramenta que embora funcione bem para outros perfis de usuários, é considerada redundante.
Assim, a partir de 1º de janeiro de 2021 as impressoras, PCs e dispositivos Android perderão£o acesso aos recursos de impressão£o via nuvem.

O Google recomenda que tão logo o Cloud Print saia do ar, os usuários usem a impressão£o nativa do Chrome OS, o que só vale para quem possui um Chromebook. Aos que usam o recurso via Android com impressoras online ou offline, restara contar com soluções de terceiros (nem sempre gratuitas) ou voltar a imprimir localmente, como um neandertal.
Por mais que o Google Cloud Print nunca tenha saído do beta em uma década, ele é uma ferramenta que "apenas funciona", tendo se tornado um facilitador importante para quem costuma imprimir documentos pela nuvem, para si ou outras pessoas.
Este caso lembra muito o do Google Reader, um recurso de feed RSS que atendia o público muito bem em sua simplicidade, mas que foi desligado sem cerimônia. Da mesma forma, é certo que os usuários do Cloud Print não devem estar nada felizes com a novidade.
Ao menos o Google teve a decência de avisar com 1 ano de antecedência, assim, quem usa o serviço terá¡ tempo de sobra para encontrar outra solução. 

meiobit.com · by Ronaldo Gogoni · November 25, 2019