Você sabe quem foi Norman Woodland ? Acredite ele facilitou e muito sua vida.



Em junho de 1976, no estado norte-americano de Ohio, uma grande revolução começava com uma simples caixa de chiclete de 67 centavos de dólar. Era a primeira utilização do código de barras, invenção de Norman Woodland que morreu em 14/12/2012 , vítima de complicações da síndrome de Alzheimer.

Hoje utilizado em cinco bilhões de produtos por dia, o invento de "Joe", como era chamado pelos amigos, nasceu em 1949 em parceria com o amigo Bernard Silver -- morto em 1963. Foi ele quem ouviu de um dono de supermercados o que daria origem à ideia. Segundo o empresário, os estudantes de engenharia da Drexel University deveriam pensar numa maneira mais eficiente de listar itens no ato da compra.

Inquieto com o fato, Woodland pensou em estender verticalmente os pontos e traços do código Morse. Estava criado o código de barras, um sistema de sinais bidimensional. A patente do projeto foi obtida em 1952, mas apenas vinte anos depois o invento ganhou relevância, graças aos avanços da tecnologia do laser.

Até então, a ideia já tinha passado por companhias como RCA e Phillips, mas foi a IBM que conseguiu criar a melhor versão do código de barras, o UPC (do inglês, Código Universal de Produto). Atualmente ele é utilizado não só nos supermercados, mas em aeroportos, hospitais, transporte e indústrias em todo o mundo.

A invenção de Silver e Woodland lhes garantiu um lugar no Hall da Fama dos Inventores dos Estados Unidos. Ainda assim, de acordo Susan Woodland, seu pai sempre estava em busca de aperfeiçoar seu invento. "Ele adorava falar com as caixas, vendo o que elas gostaria de mudar na ideia", disse ela à agência de notícias Reuters.