Você tem FGTS parado? Vá agora sacar! Veja por que!

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é um benefício trabalhista que garante aos trabalhadores um fundo financeiro para situações emergenciais. Nele, um valor mensal é depositado, só podendo ser sacado em algumas situações específicas. Durante o tempo que o FGTS está depositado, ele rende juros e correção monetária. Só que esses juros e correção monetária, principalmente em época de inflação em alta, acabam desvalorizando o dinheiro que você tem no FGTS rapidamente. O que fazer então?

Qual é o rendimento do FGTS?

O FGTS rende, mensalmente, Juros + Atualização monetária. Os juros são de 3% a 6% ao ano, dependendo da data da data de opção da conta.

Uma conta ainda ativa, ou seja, que continua recebendo depósitos, pode ter uma taxa de juros de 6%. Uma conta aberta até o dia 22/09/1971 (data de opção), tem rendimento variável entre:

3% (três por cento) nos dois primeiros anos
4% (quatro por cento), do terceiro ao quinto ano da conta
5% (cinco por cento), do sexto ao décimo ano da conta
6% (seis por cento), a partir do décimo primeiro ano.
Se o funcionário pedir demissão, ela se torna INATIVA, e passa a render 3% ao ano. As contas abertas a partir de 23/09/1971 sempre rendem 3% ao ano.

Juntamente aos juros, o FGTS rende também uma atualização monetária, equivalente à reposição da inflação do período. O índice usado para esta correção é a Taxa Referencial (TR), a mesma que corrige as cadernetas de poupança.

Essa Taxa Referencial é quase sempre inferior à inflação real, resultando em uma perda de poder aquisitivo, ou seja, redução do poder de compra do dinheiro depositado na conta de FGTS.

O crédito da atualização monetária é atualmente mensal, mas já teve períodos em que os créditos eram bimestrais, trimestrais e até anuais.

Por que você deve fugir do FGTS
Saque o FGTS sempre que possível, evitando que este dinheiro fique parando e perdendo valor cada dia mais. (Foto: www.lopes.com.br)




Então, o FGTS rende menos que a inflação?

Sim, e é esse o principal problema. Até mesmo quem aplica os recursos do FGTS em ações, mesmo com a desvalorização destas ações, acaba saindo no lucro, pois tem mais chances de valorizar seu investimento acima da inflação. Quem aplica o FGTS em imóveis também sai lucrando. Estes dois casos funcionam apenas para quem tem conta ativa do FGTS, sendo que também são condicionais: o primeiro caso (ações) precisa envolver lançamento de ações no mercado que possibilitam o uso do FGTS como recurso para compra; o segundo (imóvel) depende do titular da conta do FGTS estar comprando um imóvel dentro do Sistema Financeiro de Habitação (SFH).


  

Portanto, toda oportunidade que você tiver para sacar seu FGTS e aplicá-lo em outro investimento, vale a pena para proteger seu dinheiro da perda de valor para a inflação.

Devo sacar o FGTS?

Sim, sempre que for possível. Porém, temos que tomar o cuidado de manter um Fundo de Emergência para emergências financeiras. Um Fundo de Emergência corresponde a, pelo menos, 6 meses do seu salário, depositado em uma conta de fácil liquidez (CDB, CDI, Fundos de Investimento em Renda Fixa, etc), ou seja, que seja fácil sacar e acessar. Se você não tem um Fundo de Emergência, o dinheiro do FGTS pode ser o pontapé inicial para seu Fundo. Ou você pode fazer um seguro de renda, para garantir que emergências não prejudiquem seus ganhos financeiros. Só não vale pegar o dinheiro do FGTS para gastar sem controle, pois isso não vai ser nada positivo para suas finanças.

Só como exemplo: quem investiu até 50% do FGTS em ações da Petrobras ou Vale, mesmo com as perdas, teve uma rentabilidade de até 8 vezes mais que o FGTS, sendo até maior em alguns casos.

O que fazer com o dinheiro do FGTS?

Queremos deixar clara a importância do FGTS como um Fundo de Emergência. Se você não tem um, o FGTS vai ser seu único dinheiro de emergência. Use com sabedoria. Com isso em mente, temos de pensar possíveis destinos do seu FGTS. Quem tem conta do FGTS ativa não pode mais investir em ações com o dinheiro do FGTS, apesar do Governo poder abrir essa possibilidade no futuro próximo. A melhor chance de quem tem conta do FGTS ativa poder usar o dinheiro é investindo em um imóvel dentro do SFH, usando o FGTS como parte ou todo o pagamento. Tome cuidado, pois imóveis tem alto risco de liquidez, ou seja, demoram a serem vendidos. Só quem tem um emprego muito estável e um fundo de emergência pode, com segurança, fazer o uso do FGTS para esse fim.

Já nas situações em que você pode sacar o FGTS (descritas abaixo), os melhores investimentos do FGTS são aqueles de Renda Fixa e baixo risco. Apesar desta recomendação, você pode até fazer aplicações com o FGTS em investimentos de risco moderado a alto, desde que respeite uma estratégia de diversificação de investimentos, não colocando todos os seus ovos em uma só cesta.

Investimentos que são bons destinos para o FGTS são: Tesouro Direto, Renda Fixa com correção pela Selic ou IPCA, Fundos de Investimento em Renda Fixa, LCI, debêntures com incentivo do governo, LCA, CDB e demais opções de renda fixa. Os investimentos altamente não recomendados são a poupança e planos de previdência, que tem rendido bem menos que a inflação.


Quando posso sacar meu FGTS?


As seguintes situações possibilitam o saque do FGTS:

Demissão sem justa causa
Término do contrato por culpa recíproca ou força maior, segundo determinação do Juiz
Extinção da empresa empregadora, término de uma de suas atividades ou falecimento do empregador individual que implique cessão do contrato de trabalho
Término do contrato por tempo determinado
Aposentadoria
Suspensão do trabalho avulso por período igual ou superior a 90 dias
Falecimento do trabalhador (no caso, o saque é feito pelos dependentes)
Trabalhador ou um dos dependentes acometido com Aids, Câncer ou doença em estágio terminal
Quando a conta do FGTS permanecer sem depósito (inativa) por três anos ininterruptos, desde que o afastamento tenha ocorrido até 13 de junho de 1990
Quando a pessoa permanecer fora do regime do FGTS por três anos ininterruptos, desde que o afastamento tenha ocorrido a partir de 14 de julho de 1990 (nesse caso, o saque pode ser feito apenas no mês de aniversário da conta, mas o direito já vale a partir do momento em que o afastamento completa três anos)
A partir do momento em que o trabalhador completa 70 anos
Necessidade pessoal, urgente e grave, decorrente de desastre natural causado por chuvas ou inundações que tenham atingido a área de residência do trabalhador, quando a situação de emergência ou estado de calamidade publica forem assim reconhecidos, por meio de Portaria do Governo Federal (até o valor de 5.400 reais)
Na compra de um imóvel residencial próprio, como entrada, liquidação ou amortização de financiamento habitacional, à vista ou como amortização de consórcio imobiliário, desde que o trabalhador e o imóvel atendam a certas regras.


Obs.: para compra de imóveis, tenha em mente as condições para uso do FGTS dentro do SFH, já que há condições específicas a serem atendidas pelo imóvel e que possibilitem o uso de recursos do FGTS.


Exemplo de como FGTS rende pouco

Suponha que você tem R$2.000 na sua conta do FGTS. A sua conta do FGTS rende 3% ao ano, com uma taxa referencial aproximada de 0,86%. Ao final de um ano, considerando que não haja nenhuma movimentação de entrada ou saída da sua conta do FGTS, você terá um total de R$2.078,17, ou seja, você teve um rendimento de R$78,17. Você pode pensar que é até um valor aceitável, só que não pode esquecer o poder da inflação sobre seu salário e seus investimentos.

A inflação, para quem não sabe ainda, é o aumento dos preços de produtos e serviços durante um certo período de tempo. A taxa de inflação mais importante para os consumidores, medida pelo IBGE, é o IPCA, que mostra tanto o acumulado nos aumentos de preços de produtos e serviços mensalmente quanto anualmente. O acumulado de 12 meses do IPCA em junho de 2015 estava acima de 8%. Ou seja, 12 meses antes, produtos e serviços estavam 8% mais baratos. Enquanto isso, seu dinheiro no FGTS rendeu menos de 8%, o que significa que seus R$2.078,17 hoje compram menos que os R$2.000 que você tinha 12 meses atrás, pois os preços aumentaram.

Para manter o mesmo poder de compra com seu FGTS, este teria que ter uma taxa de juros e atualização pelo menos igual a inflação. Agora, imagine que você aplicou esse dinheiro do FGTS em um investimento LCI ou LCA durante esses 12 meses. Ao final do período, você poderia ter resgatado R$2241,60, que é um valor 64,84% mais rentável do que você teria na poupança.

Portanto, já fez o planejamento do seu investimento com o FGTS? O que você pretende fazer? Quando vai sacar seu FGTS?