Remédio contra diarreia é usado como entorpecente. Casos de overdose foram registrados!

Em doses exageradas, pode gerar uma sensação de euforia instantânea. Assim como a heroína e a oxicodona, a loperamina trata-se de uma opioide (ou opiáceo), obtidas por meio do ópio – uma planta chamada Papaver somniferum (papoula do oriente) que fornece substâncias como a morfina e codeína – e que podem ser produzidas naturalmente ou dentro de laboratórios.



Assim, acreditava-se que essa substância, quando absorvida pelo intestino, aliviava as dores de barriga sem precisar chegar ao cérebro, o que não acontece com outros opiáceos. Dessa forma, esse medicamento começou a ganhar muita popularidade na internet, já que o Imosec, não tem venda controlada e tampouco era proibido.









De acordo com casos relatados pela revista Super Interessante, usuários afirmavam tomar cerca de 30 a 200 miligramas do medicamento por dia. Sendo que, o recomendado para tratar diarreias é de apenas 16 mg. Dessa forma, e consequentemente, houveram relatos de mortes causadas por overdose do cloridrato de loperamina.



Um estudo publicado pelo Centro de Intoxicação de Nova York, que analisou dois casos de overdose – um homem de 24 anos e outro de 39 – ambos apresentavam sinais de prévio abuso de drogas. Nesses casos, o cloridrato de loperamina era usado para ‘controlar’ a abstinência de drogas mais pesadas.



Quando a venda do remédio atingiu um crescimento de cerca de 70% nos Estados Unidos, médicos pressionaram o órgão de regulamentação do governo para que houvesse uma maior fiscalização quanto a venda de cloridrato de loperamina, que em breve, provavelmente, só poderá ser adquirido com receitas.


FONTE:  Merelyn Cerqueira/ Jornal da Ciência