Homeopatia Nunca Funcionou, é tão eficaz quanto Placebo, afirma especialista


Um respeitado cientista australiano escreveu um artigo no qual afirma que a homeopatia é um "beco-sem-saída terapêutico". No texto, publicado pelo periódico "British Medical Journal", o pesquisador Paul Glasziou, professor de evidências médicas da Universidade Bond, na Austrália, cita uma revisão sistemática de estudos que concluiu que os tratamentos homeopáticos não são mais eficazes do que placebos. As observações vêm sendo intensamente compartilhadas nas redes sociais.

Glasziou foi o líder de um grupo do Conselho de Saúde Nacional e de Pesquisas Médicas, na Austrália, que recebeu a tarefa de revisar as evidências de estudos com homeopatia para estabelecer a validade desse tipo de tratamento. Durante esse trabalho, foram analisados 176 pesquisas que se concentraram, separadamente, em 68 condições de saúde (asma, diarreia, fibromialgia e outras). O grupo concluiu que não há nenhuma evidência de que a homeopatia seja mais eficaz do que o uso de placebo para tratar qualquer um dos quadros de saúde analisados. Os resultados foram divulgados em abril de 2015.









A homeopatia se baseia no princípio da "cura pelo semelhante". Os profissionais da área acreditam que uma substância disponível na natureza, quando diluída e dinamizada em água, pode curar os mesmos sintomas que produz num indivíduo saudável. "Por exemplo, se alguém ingerir doses tóxicas de uma determinada substância, apresentará alguns sintomas. Por outro lado, com esta mesma substância preparada homeopaticamente, será possível identificar melhoras durante a terapia", diz o blog do Ministério da Saúde

A homeopatia, assim como a acupuntura, a medicina chinesa e outras terapias compõem, no Brasil, as Práticas Integrativas e Complementares. Em 2014, de acordo com o ministério, havia 4 mil estabelecimentos oferecendo esse tipo de serviço no país.

No Reino Unido, porém, há um movimento em direção ao banimento da homeopatia do serviço público. Apesar de o país abrigar instituições como o Real Hospital de Londres para a Medicina Integrada, no ano passado o governo federal sinalizou que até pode proibir a prescrição de tratamentos homeopáticos, de acordo com uma reportagem da emissora "BBC".
A revisão comandada pelo professor Paul Glasziou "não encontrou efeitos convincentes discerníveis além daqueles observados em placebos" e concluiu que "não havia evidências confiáveis em estudos com humanos da eficácia da homeopatia para tratar o leque de condições consideradas", escreveu ele em seu post no "BMJ". O especialista garante que começou sua pesquisa com uma atitude de "eu não sei". "Estava curioso sobre a possibilidade de esse tratamento funcionar... Mas perdi interesse depois de analisar 57 revisões sistemáticas que continuam 176 estudos individuais".

Ele afirma que pode "entender por que Samuel Hahnemann, o fundador da homeopatia, estava insatisfeito com as práticas médicas no século XVIII, como sangramento, e por que ele tentou encontrar uma alternativa melhor. 

Mas eu deduziria que ele estaria desapontado com o fracasso coletivo da homeopatia em continuar suas investigações inovadoras para, em vez disso, seguir perseguindo um beco sem saída terapêutico.

Fonte: oglobo.com