Submarino cobra frete de R$ 635 para entregar produto de R$ 89,90

Ao digitar o CEP da rua onde mora no site de vendas Submarino para calcular o valor do frete, vem a surpresa: a taxa para entrega pode custar até sete vezes mais do que o produto. É o caso de um dispositivo Amiibo, para interação em jogos da Nintendo no videogame Wii U, que nesta manhã de quinta-feira saía por R$ 89,90, mais frete de espantosos R$ 635,08 para entrega no Rio. Outras simulações de compras no site mostram que não se trata de um caso isolado. Pelos menos outros três produtos, como é possível ver nas imagens abaixo, estão com fretes de valores desproporcionais ao preço da mercadoria e da média praticada pelo e-commerce.

Frete também sete vezes maior do que o valor do produto - REPRODUÇÃO
Aqui a opção é entre o frete maior ou o muito próximo ao valor do produto - REPRODUÇÃO
Frete de R$ 300 para produto de R$ 570 -

No microblog Twitter, reclamações postadas por consumidores nos últimos dias sobre os preços dos fretes usam do humor para chamar a atenção: "Frete via carro forte ou helicóptero?", escreveu um deles. Outra consumidora sugeriu que os valores são altos porque os compradores teriam se mudado para outro planeta ("Marte ou Plutão").


Apesar dos valores serem acima da média praticada pelo e-commerce, a advogada da Associação de Proteção e Assistência aos Direitos da Cidadania e do Consumidor (Apadic) Janaína Alvarenga, não vê ilegalidade, mas sim a possibilidade de ter ocorrido um erro no sistema da empresa.


- Fretes não são tabelados ou regulados por lei e, a princípio, não há prejuízo ao consumidor, pois a taxa é informada antes da compra, com destaque. O que vai ocorrer, é que o consumidor vai desistir da compra, porque o preço final ficará muito alto. Então, o único prejudicado será a própria empresa, que perderá vendas - avalia a advogada.
A advogada, assim como o Procon-RJ, orientam que os consumidores desistam da compra e informem o Submarino sobre os valores, para que a empresa verifique se há um erro e o corrija.
Procurado para comentar os relatos, o Submarino ainda não se manifestou.