Operação contra 350 mil carros irregulares é deflagrada no Rio

CRISE NO RJ FAZ GOVERNO CAÇAR CARROS IRREGULARES



Rio - A crise econômica no Rio de Janeiro, com o governo do estado sem dinheiro em caixa para pagar servidores e fornecedores, e bilhões a receber de contribuintes inadimplentes levou a Secretaria de Fazenda para a rua, com Operação Pavio Curto.






Com o apoio do Detran, da Polícia Militar, da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop) e da Guarda Municipal, a secretaria de Fazenda espera, nas blitzes que estão sendo realizadas em todo o estado, arrecadar pelos menos parte dos R$ 754 milhões devidos por motoristas que não pagaram IPVA nos últimos anos.
Pelos números levantados pela secretaria de Fazenda, em parceria com o Detran, aproximadamente um em cada cinco veículos (22%) que circulam no município do Rio de Janeiro está em débito com o Estado. Somente em 2015, as dívidas de IPVA no município passam de R$ 158 milhões, sem serem contabilizados os juros e as multas. No acumulado desde 2012, o déficit ultrapassa R$ 365 milhões.
A operação acontece em horários e locais que tenham menos chance de provocar engarrafamentos para evitar transtornos para os cidadãos. Além disso, um carro do Detran é posicionado em outro ponto, antes da blitz, para fazer a identificação dos veículos. Apenas os que possuem irregularidades são parados, evitando o transtorno para aqueles que estão em dia com o imposto. “A Operação Pavio Curto tem o objetivo de cercar os devedores de IPVA, mas a apreensão do veículo acontece pela falta do licenciamento, que, normalmente, está diretamente ligada ao não pagamento do imposto. Para fazer o licenciamento anual, é necessário estar com o IPVA em dia”, explica o coordenador da Operação, Willian Rio, assessor da Fazenda Estadual.




Os veículos que não apresentam o licenciamento anual são autuados e rebocados para o depósito da prefeitura de cada cidade e só podem ser retirados após o pagamento do IPVA, da multa e da diária do pátio. De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, conduzir veículo registrado que não esteja devidamente licenciado é uma infração gravíssima, sujeito a multa, apreensão do automóvel e o motorista ganha sete pontos na carteira.
Segundo o coordenador, a secretaria está atuando ativamente para obter esses recursos. “São 350 mil veículos em situação irregular, o que representa um débito muito grande. É um recurso importante para o estado nesse momento financeiro difícil pelo qual estamos passando”, completou. O IPVA é arrecadado pelo governo estadual, que repassa 50% do valor para o município onde o veículo é registrado.
Barra e Recreio no topo da lista
A Barra da Tijuca, área nobre da cidade, lidera o ranking dos bairros com maior valor de inadimplência (R$ 27 milhões), seguido por Campo Grande (R$ 22 milhões) e Recreio dos Bandeirantes (R$ 13 milhões).
Os principais devedores são, também, aqueles que acabaram de adquirir um carro novo. São mais de 24 mil veículos ano 2015 sem IPVA quitado (7,2% do total), o que corresponde a uma dívida superior a R$ 14 milhões.
Morador da Rocinha, o garçom Wanderson Pereira, de 38 anos, proprietário de um Corsa ano 2010, mostrou orgulhosamente o comprovante de pagamento de IPVA, e o licenciamento anual em dia. E lamentou que 22% da população não façam o mesmo. “A conta acaba sempre caindo do lado do mais pobre. E até a gente mesmo acaba achando que é favelado que não paga imposto. Mas a gente paga, sim, pois sabemos como é duro ficar com o nome sujo na praça. Engraçado é que está cheio de patrão reclamando do governo e não faz a sua parte”, criticou Wanderson.


Fonte Jornal O Dia.